DOE ÓRGÃOS. SEJA ETERNO.

Ser um doador significa tornar-se eterno, permitindo que outras pessoas
possam viver e alcançar seus sonhos.

No Paraná, existem aproximadamente 2.000 pessoas que aguardam
um transplante, mas você pode ajudar a diminuir esse número.

SEJA UM DOADOR VEJA OS VÍDEOS DA CAMPANHA

Para se tornar um doador, você só precisa compartilhar sua vontade com aqueles que você ama.

Preencha o formulário abaixo e indique quem será a sua voz quando o momento chegar. Você é a esperança de várias pessoas e pode ajudar a salvar diversas vidas.

316

PESSOAS JÁ SE TORNARAM ETERNAS. Participe!

QUERO SER ETERNO

Chegou a hora de eternizar o seu desejo de ser um doador. Preencha os campos abaixo com seus dados pessoais.

Nome: E-mail: Telefone: Informe seu sexo: Masculino Feminino
Declaro ser maior de 18 anos
minha voz será

Preencha os campos abaixo com os dados da pessoa que será a sua voz, principalmente o endereço completo. Enviaremos uma carta personalizada para essa pessoa, comunicando sobre a sua vontade de tornar-se eterno.

Nome: Telefone: E-mail: Grau de parentesco: Endereço:
Número:
Complemento:
Bairro: Cidade:
Preencha todos os campos com informações válidas.

Cadastro realizado com sucesso.

obrigado por se tornar eterno.

Compartilhe em suas redes sociais

http://doeorgaossejaeterno.com.br/

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A DOAÇÃO DE ORGÃOS E TECIDOS

Vencida a etapa de autorização de órgãos pelo familiar, inicia-se um novo desafio pela equipe médica que tem poucas horas para realizar o transplante e assim proporcionar salvar diversas vidas.

Uma vez constatada a autópsia pelo primeiro médico, um segundo laudo é avaliado por outro médico, afim de confirmar e constatar a situação do corpo. Neste momento inicia-se um processo do qual a família é informada e passa a deter os direitos pela doação de órgãos e tecidos de seu ente querido.

Infelizmente, ainda há muitas famílias que não autorizam a doação, por nunca terem conversado sobre o assunto com o familiar ainda em vida. Aproximadamente metade das famílias não tem autorizado a doação por desconhecerem o assunto ou por não estarem preparadas no momento da abordagem.

Não. O corpo do doador passa por uma cuidadosa reconstrução. Retiram-se os órgãos doados e em substituição colocam-se materiais sintéticos para enchimento. Sendo assim, a aparência do doador permanece preservada.

Os órgãos doados vãos para pacientes que necessitam de um transplante e já estão aguardando em uma lista de espera. Um único doador pode salvar inúmeras vidas.

Existem dois tipos de doadores falecidos:

  • Doador Falecido por Morte Encefálica
  • Paciente cuja morte cerebral foi constatada segundo critérios definidos pela legislação do país e que não tenha sofrido parada cardiorrespiratória. O doador falecido nesta condição pode doar coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Portanto, um único doador pode salvar diversas vidas. A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico, tal como ocorre com outras cirurgias.
  • Doador com Parada Cardiorrespiratória:
  • Doador cuja morte foi constatada por critérios cardiorrespiratórios (coração para de bater).O doador nesta condição pode doar apenas tecidos para transplante (córnea, vasos, pele, ossos e tendões).

A atitude mais importante é informar esse desejo a seus familiares uma vez que, após sua morte, eles decidirão sobre a doação

Não. Desde 2001, não há mais efeito legal o registro em documentos oficiais. A atitude mais importante é informar esse desejo a seus familiares. Leve este assunto para dentro de casa e manifeste seu desejo de ser um doador.

Não há uma idade específica. A viabilidade de doação dos órgãos é avaliada pela equipe médica, de acordo com o quadro clínico de cada doador e condição de funcionamento dos órgãos.

Não, o coma é um processo reversível. A equipe de saúde só considera uma pessoa como doadora após a confirmação da morte encefálica e autorização da família.

Há casos em que é possível doar um órgão (ou parte dele) ainda em vida, mas apenas em situações raras e com autorização judicial. Na maioria dos casos, a captação de órgãos ocorre após a confirmação da morte encefálica, também conhecida como morte cerebral. A doação como rim, medula óssea e parte do fígado por exemplo podem ser doados ainda em vida.

Não, o corpo do doador passa por uma cuidadosa reconstrução cirúrgica para que a aparência permaneça preservada no caixão e na memória da família.

perguntas específicas para doação de tecidos musculoesqueléticos

Cada doação pode beneficiar mais de 30 pessoas portadoras de doenças das especialidades de ortopedia, neurocirurgia, cirurgia plástica, crânio-facial, odontologia, entre outras

Não. Após a retirada dos tecidos ósseos, os membros são reconstruídos, não apresentando qualquer deformidade.
Não há necessidade de sepultamentos especiais e o doador poderá ser velado e sepultado normalmente.

A retirada dos tecidos é realizada em centro cirúrgico, observando-se todos os cuidados de assepsia de uma cirurgia convencional.

A doação de tecidos musculoesqueléticos pode ser realizada entre os 10 e 70 anos de idade.

Pessoas com morte encefálica que também são doadores de outros órgãos (doador de múltiplos órgãos), indivíduos que já estão com coração parado e que tiveram morte súbita com causa conhecida e doadores vivos submetidos às cirurgias de autoplastia de quadril que doam cabeças femorais.

O doador de tecidos musculoesqueléticos é geralmente doador de múltiplos órgãos.
O doador deve informar à sua família sobre sua intenção de doar, também, tecidos como: ossos, pele, córneas, cartilagens, músculos e tendões, além de incentivar seus familiares a concordarem com a doação. Não é necessário assinar nenhum documento em vida, pois a decisão final é tomada pela família após a morte. Por esta razão, é imprescindível que a pessoa que decide doar órgãos e tecidos, avise seus familiares sobre sua decisão.

Acreditamos nessa causa